quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Tire seu sorriso do caminho que eu quero passar com meu Louboutin

  O Fashion Killer C completa um ano em Novembro e nesse curto período eu pude desenhar os perfis de alguns leitores que deixam comentários por aqui. O que mais me chama atenção são aqueles que repudiam qualquer coisa que não seja exorbitantemente caro. Quantas vezes fui chamada de recalcada, invejosa e coisas do gênero e não me importei porque sei que em tempos de web celebridades nós perdemos o direito de discordar dos ditos formadores de opinião? O que é uma pena uma vez que qualquer meio de comunicação torna-se interessante a partir do momento que as opiniões divergem e geram um debate (nem sempre) saudável. Sejamos sinceros: Ser vaquinha de presépio e balançar a cabeça positivamente para tudo é muito retrógrado.
  Voltando aos leitores que se expressam por aqui, notei, além de um crescimento considerável no número de vistas, o aparecimento de pessoas que tentam me insultar dizendo que eu sou pobre e só critico coisas que não tenho dinheiro para comprar. Primeiro, eu não critico coisas e sim comportamentos que ao meu ver são exagerados e muitas vezes criação da cabeça de algumas ~blogueiras~. Depois quem escreve esse tipo de coisa está perdendo tempo uma vez que ser pobre, para mim, não tem nada a ver com preferir (ou só poder) comprar uma blusinha de malha a quinze reais na lojinha da esquina ao invés de gastar setecentos numa do mesmo material com uma etiqueta de grife. Eu dou muito valor ao meu dinheiro e não é porque eu trabalho para conseguir ou coisa parecida. Não me interessa se alguém é rico por mérito próprio, se herdou dos pais ou se tem um cônjuge para bancar. Tampouco me interessa como cada um gasta o dinheiro que tem, na intimidade. O que me incomoda é ver a ânsia que algumas meninas tem de expor ao mundo um estilo de vida utópico a que pouquíssima gente tem acesso. Já está mais que comprovado que grande parte das leitoras (que também são o público alvo) dos ~blogs de moda~ são adolescentes que estão começando a planejar suas vidas e as vezes até formando o caráter. Como vocês acham que uma menina de quinze anos recebe a informação de que só vai estar bonita se tiver no armário um vestido de quatro mil reais ou ainda que só vai ser feliz depois de se hospedar em um hotel em Londres com uma diária exorbitante e comer em um restaurante onde um jantar pode custar um salário mínimo? Talvez isso pareça bobagem para quem não se importa e tem dinheiro para gastar em tão pouca coisa mas para pessoas que vivem no mundo real é totalmente plausível. Eu usei uma adolescente como exemplo mas existem muitas mulheres que também não conseguem filtrar o que leem. Eu já li diversos comentários de pessoas que relatam vício em consumo estimuladas por ~blogs de moda~~. Portanto não pense que as blogueiras são inocentes e não sabem que mexem no subconsciente de que as lê porque se fosse assim nenhuma empresa desembolsaria uma boa quantia para anunciar no sites delas.
  Pior que essas meninas que esbanjam um life style grifado na internet são as que defendem com unhas e dentes que quem não é no mínimo parecido é pobre e vive de restos vendidos em lojas populares. Mais uma vez, pobreza não tem nada a ver com isso. Fico com vergonha quando vejo uma amiga devendo parcelas do cartão de crédito por causa de uma compra burra. Sim, por mais que alguém diga para você que uma calça de couro de cinco mil reais é uma compra inteligente é mentira a partir do momento que você não precisa daquilo e vai abrir mão de outras coisas mais importantes só para realizar o desejo do consumo desenfreado. Eu nunca questionei a qualidade dos produtos de grife e sim o contrário, enalteci os produtos infinitamente mais baratos e também de boa qualidade. Sinceramente, não entra na minha cabeça a vergonha que algumas pessoas tem em assumir que compra maquiagem na farmácia ou roupa em loja popular. O que faz uma pessoa estar bem vestida não é a etiqueta e sim o bom gosto e isso estilista renomado nenhum pode dar a alguém.
  E para finalizar, preciso contar um segredo: Ter uma bolsa Chanel, um sapato Louboutin e um vestido Patrícia Bonaldi também não faz de ninguém rico, fino e muito menos elegante. Mas é melhor sair do caminho para não ser esmagado por tanta burrice e petulância.

See ya!

Comente com o Facebook:

43 comentários:

  1. Concordo totalmente. Recalcadas são elas... Personalidade! É o que mais falta hoje em dia...

    ResponderExcluir
  2. Você escreve muito bem. Deveria se profissionalizar nisso (se já não fez).
    Você resumiu o que eu penso nessa frase "em tempos de web celebridades nós perdemos o direito de discordar dos ditos formadores de opinião". Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Perfeito!!!!!! Concordo em td!!!

    ResponderExcluir
  4. PFVR so compro praticamente na riachuelo e amo quando ta com a etiqueta laranja que ta em promo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luis, acabei de ganhar de presente de um grupo de amigas um vale compras de $200 na Riachuelo. Comprei 5 peças de roupa (duas na etiqueta laranja *.*). Tem nega que gasta isso num short "podrinho". Não entra na minha cabeça!
      Cicy, negada prefere entrar em blog e ver dica de make Dior, MAC, YSL, que nunca vai poder comprar (ou que vai ter que enpenhar até as calcinhas pra comprar) do que dicas de produtos em conta e honestos, mas não "exclusivos" ou apoiado pela gangue da Iaiá Rude ¬¬

      Excluir
    2. Eu vivo com roupas de lojas de departamaneto (Riachuelo, pernambucanas, marisa) e sinceramente não me visto mal. Basta ter um pouco de imaginação pra se vestir bem sem ter que ter roupas carissimas. Prefiro mil vezes utilizar essas roupas do que comprar roupa falsificada. Pô a gente ve pessoas que não tem nem onde cair morto com roupa de grife, ai vc pensa: Ou essa pessoa deve até as tripas ou comprou made in china.
      Não ligo por não ser tão descolada como as "amigues" da facul, nem por ser mais uma piriguete da balada.

      Excluir
  5. Achei o texto digníssimo. Eu mesmo posto meus looks em que a maioria das peças é C&A ou Riachuelo, e não tenho problema nenhum com isso. Ter ou não dinheiro não me faz gostar mais ou menos de moda.

    xo, Ian.
    www.morbidglamour.com

    ResponderExcluir
  6. Adorei seu texto, adoro seu blog, pq realmente vc dá dicas de amiga, produtos acessiveis e com a mesma finalidade que os mais caros, e não "inspired". Tenho um pensamento parecido com o seu, de valorizar o nosso dinheiro não importa se a gente trabalhou muito ou os pais/ conjuge custeia, suponho que eles tenham trabalhado por esse dinheiro. Sem preconceitos com lojas populares, tem menina por aí que tem o maior preconceito com c&A, riachuelo, renner, mas vai para o exterior e se acaba na macys, h&m ,deve ser pq o produto é importado né? E o pior de tudo é a resposta pronta de bloguetes e talifãs que discordam do "lifestyle" , "feia,gorda,pobre,recalcada" , falta vocabulário,falta educação e classe para aceitar que vivemos em sociedade e todos nós temos direito a ter uma opinião e se discordamos o melhor é aceitar as diferenças, pois elas existem. Feio mesmo é ser intolerante .

    ResponderExcluir
  7. Amei realmente disse tudo Cicy o que realmente esta em valor é o que tem não o que é... lamentável!! Para uma geração que tem tanta liberdade de expressão e acabam presas em esteriótipos...
    admiro seu blog ele é bom demais... Beijo

    ResponderExcluir
  8. Essas pessoas acham que quem consome coisas populares é pobre e quem é "rico" (leia-se, ganha bem) necessariamente vai gastar os tubos em roupas sapatos e cosméticos. Como se TODO ser humano tivesse essa necessidade estúpida de ostentar as coisas e se ver cercado por grifes o tempo todo, se puder. Eu posso (não tenho porque mentir, estou Anônima, ninguém sabe quem eu sou) e opto por não dar milhares de reais em uma roupa ou centenas em um item de cosmético. Tenho outras prioridades na vida. Ponham uma coisa na cabeça: nem todo mundo que pode, acha que vale e gasta. E nem todo mundo que gasta, pode. Aliás, geralmente essas que vêm aqui te chamar de pobre e se acham a última Coca do deserto porque usam uma make da Dior geralmente são as que parcelam no cartão, não pagam, ou até deixam de comer pra poder comprar.

    ResponderExcluir
  9. Sabe o que eu acho também? Que vai muito do meio que a pessoa vive. Se as amigas são todas umas deslumbradas que olham dos pés à cabeça a marca do que vc tá usando, ficam falando que pagaram tanto numa bolsa, ou seja, for um pessoal bem nojentinho e espírito fraco, a pessoa acaba sentindo a necessidade de entrar na onda pra não ficar de fora. Eu, apesar de ter um certo dinheiro, nunca gostei desse tipo de gente, não quero amizade com pessoas assim, não tenho paciência. Prefiro as pessoas mais simples, que não tão nem aí pra marca do seu sapato e de seu carro.

    ResponderExcluir
  10. É MARISA NA CABEÇA! hahaha Texto GENIAL.

    ResponderExcluir
  11. Pobre tu não és, pelo menos não culturalmente, pois seu texto está muito bem escrito, és articulada, sabes colocar as palavras e te expressar. Mas mesmo que tu fosse pobre financeiramente, tens uma herança milionária garantida: senso crítico e bom gosto!

    Eu tenho uma ótima estabilidade financeira e também sei o que "é bom", e compro na renner, na c&a, maquiagem de farmácia, etc. Me sentiria uma idiota e incompetente se gastasse 50 reais em um batom. Compro meus cosméticos e perfume em freeshoop (fronteira com o uruguay) porque é menos da metade do preço. Uso muito renner e sempre sou elogiada por patricinhas que elogiam meu estilo e perguntam "onde comprei". Porque para elas a roupa perde o valor e fica "feia" depois de saber onde foi comprada?

    Não abro mão de estar bem vestida, gosto de usar tendência, consumo moda, mas com inteligência! Sigo alguns blogs de moda e beleza e me enoja a quantidade de mensagens subliminares as quais praticamente nos insultam de burras!

    Sem falar que, para estas blogueiras, escrever um texto como o seu é praticamente impossível, falta capacidade para escrever 3 linhas sem errar concordância, ortografia ou mesmo sem usar gírias terríveis como "muso", "hipado", "out"...arrgggg!

    Triste, né! Mas, parabéns pelo seu texto. Gosto muito do seu blog. O que significa que eu concorde com todas opiniões escritas nele, mas de alguma forma, me alivia saber que não sou apenas eu que desprezo essa blogueiras de moda e seu "valores"!


    ResponderExcluir
  12. Simplesmente perfeito.

    ResponderExcluir
  13. Sensacional. Falou tudo!

    ResponderExcluir
  14. Falou e disse!
    Perfeito!!!
    Meus parabéns!!!
    Bjs!!!

    >>> Testei o Kit Moroccan Argan Oil da Avon e Detestei!
    http://coisaphynna.blogspot.com/2012/09/testei-o-kit-moroccan-argan-oil-da-avon.html

    ResponderExcluir
  15. Nao conhecia seu blog, mas virei fan.
    A velha historia do "a roupa me leva" ... OU ... "eu levo a roupa" .
    Parabens!

    ResponderExcluir
  16. Parabéns, Cicy! Não tenho o mesmo gosto pra roupas que o seu, mas concordo em gênero, número e grau com sua opinião acerca dos blogs de MODA, tendências, "must have"s e tudo que é "obrigatório". Sigo algumas tendências por que compro em lojas que estão vendendo o que é atual - Renner, principalmente - mas sempre adequando ao meu estilo e tipo físico. Sou leitora do seu blog e admiro sua coragem de defender sua opinião firmemente nesse meio conturbado que é a internet. Parabéns, mais uma vez!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode soar estranho, mas eu fico feliz que você não goste do mesmo estilo de roupas que eu. Desde adolescente eu acho muito estranho quando alguém, principalmente próximo, ama minhas roupas e sai vestido parecendo uma cópia minha. Acho o estilo uma coisa tão pessoal para sair usando alguma coisa só porque ficou bem na pessoa X. Acho demais quando saio com minhas amigas (que são completamente diferentes no quesito estilo) e a gente descobre umas nas outras coisas que gostamos e poderíamos algum dia incorporar. A moda é isso, você saber do que gosta e inserir coisas que realmente combinam com seu estilo e cabem no seu bolso.

      Excluir
  17. Confesso que gosto de alguns blogs, principalmente os que são direcionados à maquiagem, que amo. Servem de referência, de fonte de pesquisa, porque além da opinião das blogueiras, sempre tem as leitoras postando se concordam ou não, trocando experiências. O problema é que muita gente se deixa levar e até enganar, dando muita atenção aos "publieditoriais" , e se esquecem que aquela opinião postada ali foi paga para ser favorável. Uma parte do público destes blogs, em especial as meninas mais novinhas, nem sequer procuram alternativas aos "looks do dia" e querem logo exatamente o que é exibido no blog. Falta um pouco de senso prático e uma pitada de realidade na vida dessas pessoas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, falta filtro. Nada do que se lê é verdade absoluta. Nem o que eu escrevo nem o que as blogueiras de moda indicam como item de primeira necessidade. Saber separar o que serve para gente e o que não é fundamental não só para escolher roupa e maquiagem mas para tudo na vida.

      Excluir
  18. Muito bom o texto, concordo com tudo que escreveu! Graças a Deus sempre soube filtrar as coisas, confesso que sou consumista, gosto sim de gastar com roupas e afins, mas como você disse não é necessário calçar um ''sola vermelha''(hehehe) para se sentir bem! Moro em Londres e aqui a moda muda extremamente rápido, mas ao mesmo tempo existe muitas lojas acessíveis como a Primark não sei se já ouviu falar? A questão é que muitos brasileiros aqui fazem compras lá, mas escondem a sacolas e mentem aonde compraram as roupas que usam para não ''passarem vergonha''. É triste ver que o mundo passou a viver de status e não do valor que as pessoas têm.

    ResponderExcluir
  19. Gabriela marchesano27 de setembro de 2012 07:40

    Concordo muito! Eu confesso que acompanho alguns blogs de moda, gosto de saber o que é tendência, o que esta na moda, e o que estão usando por ai, mas tenho total consciência da minha condição financeira, é claro que eu gostaria sim de ter um vestido Patricia Bonaldi, pq acho muito bonito, bem feito e elegante sim, mas sei que não cabe no meu orçamento, aí procuro algo no mesmo estilo nas lojas em que posso comprar, Renner, C&A, Riachuelo, e até na feirinha

    ResponderExcluir
  20. Já entrei no seu blog algumas vezes e nunca tinha comentado, vc escreve muito bem e tudo o que vc escreve tem fundamento, pessoas sem personalidade e com um cartão de crédito nas mão fazem um estrago enorme sem perceber que estão sendo manipuldas por essas "garotasestúpidas" ;)

    ResponderExcluir
  21. Adorei teu post, Cy! Concordo em gênero, número e grau! Acho que as blogueiras tem sim, consciência do quanto influenciam suas leitoras mas enquanto seus bolsos estejam cheios de grana de patrocínio elas não se importam!

    Acho triste ver tantas meninas e mulheres se endividando para mostrar pra pessoas que nem significam nada pra elas, uma coisa que elas não são! Só pra ter likes no facebook e instagram e seguidores no twitter? Tem que ver isso aí...

    Eu não tenho muita grana e afirmo que dá sim pra andar bem vestido com roupas baratas e mandadas fazer. A maioria das minhas roupas eu levo pra uma costureira fazer porque sai muito mais barato! E outra coisa, nego confunde ter estilo com andar grifado! Uma coisa não tem conexão alguma com a outra. ter estilo é ter autoconhecimento, é saber o que combina com você e o que cai bem no seu corpo! Compro mta coisa em bazar, em lojinha de 15 reais a peça e modéstia a parte, me visto muito bem!

    Acho que as meninas deveriam se inspirar, não tentar ser uma cópia dessas meninas! Ja viu que é só sair coleção de uma marca x que tá todo mundo igual, com o mesmo sapato, a mesma bolsa, a mesma calça e tudo o mais! Um bando de meninas uniformizadas e muitas vezes sem consciencia da repercussão dos posts que fazem (será mesmo? rs... nem eu sei mais)

    Enfim, parabéns pelo blog e pelo post. Já é favorito aqui!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  22. Adoro o seu blog! Adoro o seu jeito de escrever!
    Sucesso pra vc!
    =)

    ResponderExcluir
  23. Gostei do texto. Ao contrário do que alguns comentários possam sugerir, não acho que foi uma apologia a lojas populares, mas sim ao fato de que uma roupa não se classifica devido ao seu preço - seja ele alto ou baixo. Uma roupa, ou melhor, um comportamento é todo um conjunto de fatores, experiências, bagagem cultural e... bom senso.

    ResponderExcluir
  24. A necessidade de ser aceito hoje na sociedade é muito grande. A maioria dessas moças usam as marcas como "ingresso" para um mundo paralelo, onde em tese, serão mais felizes, amadas, populares e bonitas. Usam o status como escapismo para não encarar a realidade dos fatos da vida.

    ResponderExcluir
  25. Acho que as leitoras tão reduzindo a discussão a "influência das blogueiras de moda e os estragos nas meninas sem personalidade" e acho que vai muito além disso. Acho que pega também a questão não só da necessidade de alguns (muitos) de gastarem pra ostentar, posar de bonzão, e ainda considerar inferior quem não faz o mesmo, seja porque não pode ou porque não quer. Por exemplo as pessoas que vieram chamar a blogueira aqui de pobre porque ela usa Payot. Isso vai muito além do tema blogs de moda. É a podridão humana nítida e explícita.

    ResponderExcluir
  26. Sou da sua opinião Cicy, concordo com tudo que você disse. Para ter estilo e personalidade não precisa usar das roupas mais caras, e só ter bom senso e bom gosto para se vestir.

    ResponderExcluir
  27. Oi, Cicy. Gosto muito dos textos que escreve.
    Se puder, dê uma olhada nesse post da Juliana Cunha...
    http://julianacunha.com/blog/2012/08/21/de-onde-e/
    Acho que vai gostar. Os comentários são bem interessantes também.

    Beijos

    ResponderExcluir
  28. Só descobri a existência do seu blog AGORA e dividi com uma amiga, que me mostrou esse post (eu tinha lido só o primeiro até então, falando sobre o fashion day ou seilaqmerda) e vou te dizer viu, antes tarde do que nunca. Concordo plenamente com o seu texto, que por sinal é muito bem escrito e reflexivo.

    Como muita(o)s aqui, também compro roupas/sapatos/etc na Marisa, C&A, Riachuelo (na grande maioria das vezes quando estão em remarcação. E isso também inclui a liquida da Zara quando tem coisa muito barata) e no comércio popular, e mesmo assim me visto muito bem, e não é só da minha cabeça que eu tiro isso, várias amigas minhas já elogiaram minhas roupas e meu estilo. E felizmente, posso dizer que as minhas amigas também pensam como nós. Assim como eu, elas não estão preocupadas em endividar pai e mãe que trabalham duro (até porque ainda não ganhamos o nosso próprio sustento, ainda temos 18 e nenhuma tem estágio) pra ficar comprando roupa de marca e sair esbanjando cidade afora. E todas se vestem bem, cada uma no seu jeito, sem precisar se jogar nesse consumismo desenfreado.

    Espero que esse post (e todos os outros sobre esses assuntos) chegue para muita gente, principalmente para aquela(e)s que estão começando a vida adulta agora, que se conscientizem de que não precisa viver em função de roupas novas e caras e iguais as das blogueiras ou da vizinha ou da pqp. Não precisa disso tudo para ser 'fashion' e muito menos para viver bem.

    Enfim, por um momento pensei que só eu achava um absurdo essas blogueiras de moda que são podres de rica e ficam comprando essas coisas todas de marca (que eu particularmente acho 99% horrorosas) e viajando mundo a fora todo dia, mas ainda bem que eu não estou sozinha nesse grupos de indgnados perante ao que se tornaram os blogs de moda influentes na sociedade brasileira.

    (E essa questão não se restrige só ao mundo 'fashion')
    Beijos e boa noite :)

    ResponderExcluir
  29. Olá, conheci seu blog atravez da Shame e adorei o texto a cima e tudo mais q vc posta!
    Uma grande verdade tudo o q disse, eu q não sou adolescente, q filtro o q leio, q conheço alguns países já me senti mal em ver blogueira hoje em Londres, amanha em Paris e no dia seguinte em Miami, comprando e comprando, imagine quem nunca teve oportunidades!?
    Hoje não sou um numero a mais nesses blogs!
    Bjos

    ResponderExcluir
  30. Adorei seu texto. Ele é forte, direto, simples. É soco direto no fígado, punhal direto no coração, agulhas direto nos olhos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  31. Adoreiii o texto! Muito bom mesmo...A questão não é ser pobre, mas quem trabalha para se sustentar sabe o quanto vale seu dinheiro para gastar em coisas que não valem aquilo (porque para mim só porque tem uma etiqueta não quer dizer que realmente vale 5000 mil reais)... Caro não é sinônimo de qualidade. Parabéns pelo blog! Mandei uma msg pela sua página no face e se possível peço que responda. Abraços!

    ResponderExcluir
  32. Um dos melhores textos que li nos últimos tempos...

    Já tive um blog e hoje ele está totalmente largado porque não tenho estímulo para escrever! Vou buscar informações e só acho propagandas de produtos que eu nunca vou ter condição de comprar, aquela mania das ~blogueiras~ de chamar tudo de "must have", publicidade velada, enfim...
    Parece que os blogs ultimamente têm perdido o propósito de ser um meio de compartilhar experiências e se transformaram em máquinas de propagandas...
    AFFFF!

    Nesse mundo, poucos blogs ainda considero interessantes, o seu sem dúvida é um deles. Quem sabe achando mais como o seu, não animo a voltar a postar?

    beijos!

    ResponderExcluir
  33. Sabe Cicy, acho engraçado isso da tal supervalorização das marcas que vivemos hoje em dia. Engraçado, pois a mesma roupa encontrada por 500 reais num shopping pode ser comprada a 10 em uma loja popular. Mas mais que engraçado, isso pra mim é triste, porque as meninas que se esguelam para comprar roupas caríssimas não caem na real que, na verdade, estão servindo de outdoor vivo para as tão estimadas marcas de roupas. A vontade que tenho é de perguntar "Moça, quando q a Moschino tá te pagando pra vc anunciar a marca deles aí na sua cintura?". Eu tenho o costume de comprar roupas em bazar. E quando digo bazar, não são aqueles "brechós vintage" onde 1 casaco chega a 1000 reais só pelo fato de ser do séc. XX a.C. Compro roupas em bazares de fundações, onde pago no máximo 5 reais em uma peça de roupa BONITA e DE QUALIDADE (sim senhoritas, isso existe E MUITO, é só ter destreza para selecionar as melhores roupas) e sei que meu dinheiro não irá para grandes corporações, e sim convertido em trabalhos sociais e ajuda para os que precisam. Se eu sofro preconceito por isso? Sim, muito. Porque quase 100% dos conhecidos que me encontram na rua elogiam minhas roupas. Dizem: "Nossa, que linda que você está! Estou louca atrás de uma camisa igual a essa sua! Onde vc comprou?" e quando eu digo que comprei em um bazar de fundação o comentário que quase sempre escuto é um "ahh... mas é roupa usada?" dito em um tom de asco. Sabe qual é a minha resposta? "Sim, é roupa usada! Eu prefiro, pois aí tenho sempre uma história para contar!". Prefiro comprar uma roupa que já foi usada, mas que me agrada visualmente e que esteja com bom preço do que comprar uma roupa nova CARÉZIMA e com cheiro de loja só para ostentar uma marca. Cicy, a cabecinha dessas blogueiras precisa ser revista com urgência, uma vez que, querendo ou não, elas são formadoras de opinião. Dá vontade de chorar quando vejo a quantidade infindável de garotinhas afetadas por opiniões tão vazias criticando as minhas roupas usadas. Cicy, você tá sendo a minha inspiração pra ver que ainda existem garotas nesse mundo que saibam diferencias o "bonito e funcional" do "feio mas na moda". Não tenho como expressar o quanto gostei do teu blog.

    ResponderExcluir

Comente!